top of page
  • Foto do escritorMari Rabelo

Cervejaria Cigana




Cervejaria Cigana

Que modelo de negócio é esse?

Você sabia que esse tipo de negócio cervejeiro não é oficialmente reconhecido por esse nome pelo MAPA, Receita Federal ou algum outro órgão governamental?? Mas não se preocupe, é possível legalizar essa atividade e cigano não faz registro de produto no MAPA. Neste artigo, vou te contar como eu finalmente entendi quem é o cigano e como regularizar suas operações.

A primeira vez que me deparei com essa situação foi quando eu precisei realizar uma produção cigana para um cliente. A estratégia era a seguinte: enquanto planejávamos e montávamos a fábrica de cervejas dele, investimos em uma produção cigana para que sua marca fosse conhecida no mercado. Veja bem, a dificuldade de quem tem uma fábrica de cervejas não é na “produção” e, sim, na “venda”. Dessa forma, a produção cigana pode ser uma estratégia de “investimento à longo prazo” na qual é possível gerar demanda por um produto antes da fábrica estar pronta. O primeiro desafio foi encontrar uma fábrica de cervejas na região que realizasse essa atividade de produzir cerveja para um concorrente - isso foi em 2016 e as fábricas receberem cigano ainda era um pouco tabu no mercado. Em seguida, o outro desafio foi aquisição de insumos gerais: garrafas, rótulos, malte, lúpulo, fermento, etc. “Qual melhor fornecedor? Qual melhor preço? Qual trâmite contábil mais indicado?..” depois de muito perrengue nós conseguimos realizar não apenas uma produção cigana mas 3 no total!

Este tipo de produto “cigano” nada mais é do que uma “encomenda”. Imagine só que você tem um filho ou sobrinho que vai fazer aniversário e você ficou responsável pelo bolo da festa. Há duas formas de você providenciar este bolo: (a) você vai na padaria e encomenda o bolo; (b) você compra os ingredientes do bolo, leva para a padaria e encomenda seu bolo da mesma forma, ou seja, você encomenda o bolo do mesmo jeito mas dessa vez você paga os ingredientes separado. Quando falamos de “cigano”, por exemplo, as duas situações apresentadas acima são as mesmas que ele vivencia em uma fábrica de cervejas. O “cigano” é o cara que encomendou uma produção de cerveja em uma fábrica, e ele pode ou não pagar pelos ingredientes em separado.

Portanto, já que o cigano não tem planta industrial, então ele não é fiscalizado pelo MAPA e não realiza nenhum tipo de registro junto ao MAPA. O responsável pelo produto do cigano é, na verdade, a fábrica de cervejas onde ele encomendou o seu produto. Isso significa que, se houver algum problema com a cerveja do cigano como, por exemplo, algum consumidor se sentir mal ou queixar da qualidade do produto, quem responde legalmente por isso é a fábrica de cervejas. Entendeu? Por isso, o cigano “não existe” para o MAPA.

Agora, vamos entender quem é o cigano para a Receita Federal: na primeira situação, quando o cigano encomenda a cerveja pronta e não adquire os insumos, ele pode simplesmente realizar esse trâmite com um CNAE de “distribuidor de bebidas”, por exemplo. Na prática, isso significa que ele pode encomendar a produção de uma cerveja X na fábrica, a fábrica vende pra ele o produto pronto por um valor camarada devido ao volume de compra, e o cigano faz a revenda deste produto. Agora, considerando a outra situação, quando o cigano compra os insumos, aí sim a gente entra em um cenário mais “cinza”.. Isso acontece porque o cigano quando compra insumos, de modo geral, apresenta um CNPJ com CNAE de “fabricação de cervejas e chopes”. Alguns ciganos optam por ter este CNAE (o qual teoricamente é exclusivo de quem tem planta industrial) porque o trâmite contábil de aquisição de insumos é financeiramente mais interessante dessa forma. Entretanto, caso haja uma fiscalização do leão no endereço do CNPJ do cigano, será constatado que não há uma indústria. Dessa forma, justificativas precisarão ocorrer. Não é ilegal, mas também não é legal. A realidade é que nossa legislação fiscal ainda é atrasada em alguns aspectos (algo comum para a maioria das legislações já que o setor privado anda mais rápido que o setor público).

Portanto, para aqueles que pretendem ter um cervejaria cigana mas ainda não sabe por onde começar, aqui vão algumas dicas:

- contrate um contador, realize a abertura da sua empresa (CNPJ) e converse com ele sobre as possibilidades de trâmites contábeis para encomendar uma produção de cervejas: entenda qual melhor se aplica à sua realidade e como você deve proceder;

- escolha uma fábrica de cervejas cigana, estabeleça acordos (o que está incluso no serviço, o que não está incluso e sob qual volume final de produto envasado que haverá pagamento) e assine um contrato;

- planeje-se: faça as contas antes de realizar uma produção cigana, dificilmente você investirá menos de 20 mil reais em uma produção de 1mil-2mil litros de cerveja. Isso acontece porque, além de comprar matéria-prima e pagar pelo litro da cerveja produzida, você também precisará investir em rótulos, vasilhames, embalagem secundária, equipamentos para serviço (chopeira, cilindros de gás, manômetros, mangueiras), logística de entrega, marketing, dentre outros.

“Quem não mede, não gerencia.” – autor desconhecido, mas uma frase comum em materiais de estudo do grupo Falconi, FGV, Ambev.. e comumente dita na Embuconsultoria também, já que por aqui temos essa cultura nos ossos.

Você achou este artigo útil e conhece alguém que gostaria de ser produtor de cervejas cigano? Se sim, lembre-se de compartilhar este material. Além de você contribuir para o amadurecimento do nosso setor cervejeiro, você também me motiva a continuar escrevendo sobre o que eu sei e minha experiência, já que me sinto muito agradecida quando as pessoas compartilham meu material.

Obrigada por estar comigo mais uma semana!!

Grande abraço,

#cheers!

91 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page