top of page
  • Foto do escritorMari Rabelo

Vá de PET!



As cervejarias independentes, cada vez mais, têm optado por growlers (garrafas de PET) e latas. Essas embalagens não são e não devem ser reutilizadas na cervejaria mas, ainda assim, são uma escolha inteligente de redução de custos pro negócio.


Em 2014, para minha surpresa, os growlers e latas de cervejas já estavam majoritariamente presentes nas prateleiras dos mercados na Europa. Naquele ano eu havia acabado de me mudar para a Hungria para estudar Fabricação e tecnologia de cervejas pelos próximos 2 anos, e eu confesso que dei risadas e não acreditei quando alguém disse em um bar que os growlers seriam uma febre no Brasil futuro. Minha opinião na época? “Os consumidores simplesmente não vão aceitar a cerveja em uma garrafa de plástico e ponto”. A opinião do meu visionário colega? “Logística facilitada, menor custo do produto final, autenticidade de marca, etc.!…”


Meu colega estava certo.


Desde o início de 2020, com as mudanças dos hábitos de consumo impostas pela pandemia, as cervejarias vêm apresentando uma inversão no seu padrão de envase: pré-pandemia, a maior parte de envase do produto era realizado em barris, enquanto o restante era destinado ao envase em garrafas de vidro. Em nossos clientes da Embu, comumente, cerca de 70% da produção cervejeira era destinada à barris (2019). Esse cenário de preferência pelo barril, inclusive, é similar ao de outras cervejarias no país como, por exemplo, cervejarias do Paraná, as quais 65,95% também optavam por envasar seus produtos em barris (2018). Ainda, em estudo realizado por SEBRAE em parceria com a ABRACERVA em 2021, havia uma intenção nacional por parte das Cervejarias (incluso ciganas) em elevar a quantidade utilizada de latas de alumínio em detrimento à barris de inox e garrafas de vidro.


Uma vez que bares, restaurantes e eventos estavam fora da agenda de final de semana, o “normal” foi optar por delivery. Em resposta ao novo hábito do consumidor de comprar alimentos e bebidas em varejo por meio de aplicativos e e-commerce, entre os anos de 2019 e 2020, a produção de plástico apresentou crescimento anual de 6.8%. Para o mesmo intervalo, a produção de papel/papelão (importantes como embalagem secundária) apresentou 1% de crescimento, enquanto a produção de vidro apresentou redução em 16,4%. Surpreendentemente, a produção de latas também aumentou. Conforme o ABRALATAS, as vendas de latas para envase de bebidas aumentou em 18% entre 2019 e 2020, e 22.6% entre 2020 e 2021 (apenas no primeiro semestre!).


Mas, o que aconteceu?


O aumento da demanda por vasilhames de pequeno volume para consumo, no que se refere ao setor de bebidas, fez com que houvesse aumento de demanda de garrafas de vidro em todo o país. Entretanto, o mercado de garrafas não estava preparado para este crescimento e, devido ao aumento do dólar, ficou difícil para as grandes empresas aumentarem a sua produção, a qual conta com insumos cotados na moeda. Dessa forma, o aumento da demanda gerou elevação do preço do vasilhame de vidro e, consequentemente, migração para embalagens alternativas como PET e latas. Ao longo do ano de 2020, vimos diferentes cervejarias adaptarem as suas máquinas para envase de growlers e/ou latas para lançamento no mercado, como foi o caso da Cervejaria Stadt, KrugBier, Potiguar, Wonderland, BrasíliaBier, Fritz Bier, Gont’s Bier, dentre outras. Essas cervejarias não só mudaram suas embalagens como, também, aumentaram suas vendas. Sabemos que, no ano de 2020, algumas cervejarias fecharam as portas, entretanto, aquelas que se mantiveram abertas, apresentaram algumas estratégias em comum: e-commerce, delivery, publicidade paga e envase em growlers e/ou latas.


Mesmo que ainda exista o preconceito do consumidor quanto às embalagens, o preço final do produto é um atrativo inquestionável tanto para cliente quanto para fabricante: são R$2,94 para uma long neck de 355mL (10/2021) contra R$0,90 para um growler de PET cor âmbar de 1Litro (11/2021) - dados arquivo particular Embuconsultoria. Além disso, aqui vão outras vantagens para você que ainda tem dúvidas se vale a pena investir no PET ou não:

  • você pode oferecer o seu produto envasado em PET como chop (sim, você pode adicionar o descritivo “chop” no rótulo caso você não faça pasteurização flash da cerveja);

  • você pode substituir o uso de papelão como embalagem secundária para plásticos retráteis, reduzindo não só custo com embalagem como também espaço para estoque na fábrica (espaço também é dinheiro);

  • você pode inserir seu produto no mercado por um preço competitivo e usar isso a seu favor para conquistar novos clientes;

  • você pode desenhar um formato de PET com a cara da sua marca e ter exclusividade da forma através de registro no INPI;

  • você pode vender o chop em growler em eventos ao invés de ter todo o trabalho e desgaste com chopeiras elétricas ou à gelo (logística facilitada);

  • se você investir em uma sopradora de PETs para a sua fábrica, você pode reduzir consideravelmente o seu espaço de estoque de embalagens vazias, já que o PET originalmente tem menos de 15 centímetros de altura (mais uma vez: espaço também é dinheiro);

  • PETs não são reutilizáveis e, por isso, ainda mais seguros quando falamos de segurança microbiológica já que a embalagem vem nova e é usada uma única vez;

  • usando PETs você pode lançar um programa de reciclagem junto à instituições do setor: além de ficar “bem na fita” perante os seus consumidores, o meio ambiente agradece.


Ainda tem dúvidas de que os PETs são um excelente investimento?? Me conta nos comentários ou em nossas redes sociais oficiais.


Te vejo na próxima semana.

Grande abraço,

9 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page